sábado, 19 de junho de 2010

In Memoriam

Requiem de Mozart

Mais um simples tributo a José Saramago.

A música das esferas encontram-se, as flores desabrocham no mais inóspito dos sítios, a brisa doce e terna aparece para te saudar, as ondas do mar encrespam-se por te verem partir... Fica um vazio físico... Ficam as lágrimas...

Mas fica também o teu lado sempre visível que são as tuas palavras.

4 comentários:

pinguim disse...

Eu sou sincero, nunca gostei de Saramago, e não é agora por ter morrido que modifico a minha opinião; sei que sou considerado por muita gente um anti-"muita coisa", mas paciência...
Mas deliciei-me com o Requiem de Mozart.

Natália Augusto disse...

Ainda bem que não somos forçados a gostar ou a fingir que gostamos de alguém se isso não corresponder à verdade. Seria uma chatice!
Gosto de Saramago desde os tempos da faculdade. Tudo porque num dia esteve numa das nossas aulas e foi espectacular! Conhecemos o homem e não só o escritor. Daí este meu gosto.
Também gosto muito do Requiem de Mozart. Fico com "pele de galinha" só de o ouvir.

Olga disse...

Não gosto muito de Saramago, acho a escrita dele complicada, mas vejo nela algo inovador e por isso merece todas as homenagens. Deixou um grande contributo ao mundo e por isso nunca será esquecido. beijinhos.

Dylan disse...

José Saramago não era menos português por não pôr a bandeira à janela na véspera de um evento desportivo. Acima de tudo, a sua essência era ibérica. Convém dizer que só saiu de Portugal devido à ostracização de Sousa Lara, comprovada agora com o episódio político revisionista da não presença de Cavaco Silva no seu funeral. "Viagem a Portugal" é reflexo de amor e do encantamento que sentia pelo país, pela sua beleza e cultura, pela classe trabalhadora, espelhada na sua identidade, mesmo que isso significasse ir contra a ideologia do seu partido, contra a maioria religiosa, contra o politicamente correcto. Para o seu espírito inconformado, a morte é pouco relevante. Como diria Saramago, "o fim duma viagem é apenas o começo de outra".