terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A propósito de umas cinzas...

Há mortes esperadas e mortes inesperadas. Há mortes tranquilas e mortes hediondas e brutais. A morte acompanha-nos desde o dia em que somos embrião. A vida é um percurso até ela. Por isso, é melhor que a desfrutemos bem.
Muitas pessoas exprimem à família, ainda em vida, por escrito ou oralmente, que após a sua morte querem ser cremadas. Pode ser mais caro, porém mais purificador e libertador. Além desse pedido, outros se lhe acrescentam. Umas querem que as suas cinzas sejam lançadas ao mar ou a um rio famoso; outras perto da árvore predileta do seu jardim; outras permanecerem num vaso crematório num local da casa; outras preferem ainda locais específicos em cidades bem conhecidas.
Há dias assistimos na televisão à deposição das cinzas de cremação de Carlos Castro em Times Square, Nova Iorque (EUA), Ora, esse acto segundo fontes noticiosas foi ilegal e está a causar indignação entre a população nova iorquina. Afinal, as autoridades da cidade não deram autorização para que as cinzas fossem despejadas num respiradouro do metro.
Parece-me uma escolha estranha depois de não ter sido possível tê-lo feito nas ruas de Times Square ou no rio Hudson. As irmãs e o amigo do cronista quiseram cumprir o desejo de Carlos Castro. Sim, claro! Mas que diria o cronista se pudesse manifestar-se acerca desta escolha feita à pressa? Que depois de morto tanto faz? Que só queria as suas cinzas na cidade de Nova Iorque!

4 comentários:

pinguim disse...

Algo aqui não joga certo, pois foi afirmado pelo amigo de CC que tinha obtido as necessárias autorizações para deitar as cinzas ali e agora vem alguém a dizer que não havia autorização alguma...

Anónimo disse...

Parabéns pelo texto.
Existe um mito de que a cremação é mais cara que o sepultamento em cemitério, porém na maioria dos estados a cremação é a opção mais econômica além de ser mais prática, higienica e ambientalmente correta.
fonte: www.crematoriovaticano.com.br

Abraço


Mylena

Teresa disse...

Natália
Tens toda a razão nas tuas interrogações. Eu própria gostaria de ser cremada e já o exprimi, várias vezes, à minha família. Mas deitar as cinzas num respiradouro? Parece, no mínimo, bizarro. Como tantas coisas, neste caso.

O que andas fazendo?
Bjs

Mari Amorim disse...

Parabéns,querida!
Tenha uma noite iluminada,repleta de paz e boas energias!
um abraço,
Mari