segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

SER


Não tenhas certezas que não queres ter

Para quê

Ainda que as pressintas
deixa-as sozinhas
entregues ao acaso

Sê apenas
nas palavras que dizes e revelas
e nas que escreves e escondes

Que elas sejam infinitamente
sempre e só tu
na tua capacidade de abstracção

5 comentários:

OUTONO disse...

"Sê apenas
nas palavras que dizes e revelas
e nas que escreves e escondes"

Nada mais matemático...igual a si mesmo, ou... na razão directa do ser.

Gostei do jogo de palavras.

Beijinho

Ana Paula Motta disse...

Tem um selo pra você no meu blog.Passa lá para buscar.Beijinhos

☆Fanny☆ disse...

Olá, querida Nathalie!!!

Não podia deixar de te oferecer um mimo “Forever Friends”...

Está lá no meu blogue à tua espera :-)

Beijinhos de estrelas*
Fanny

entremares disse...

Obrigado pelo post.

Sabe sempre bem uma lufada de ar fresco.

Voltarei.


http://entremares.blogs.sapo.pt

André Campos disse...

Gostei muito, gostei especialmente.
As palavras & nós, substância & figurino dos nossos nós.

Até uma próxima.