sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Revelações


Há perguntas que nos fazem em diferentes momentos do nosso percurso. Umas são mais discretas outras menos. A maior parte das vezes evitamos as indiscretas ou respondemos sem dizer absolutamente nada do tanto que se disse sem nada dizer.
Apeteceu-me responder a este desafio e talvez fique a conhecer-me melhor do que me conheço, porquanto ache que me conheço bastante bem!
1- Tens medo de quê?
Tenho vários medos que devem ser comuns a outras pessoas. Tenho medo de uma doença crónica (que possuo), de envelhecer só e num lar da terceira idade, de perder entes queridos.
2- Tens algum guilty pleasure?
ÀS vezes bebo para esquecer que existo, até ficar bêbeda. Em tempos, experimentei algumas drogas. Foi há dez anos atrás na idade adulta! Quem diria?!
3- Farias alguma "loucura" por amor/amizade?
Já fiz em ambos os campos. Calei tudo o que sentia numa relação impossível só para agradar ao homem que eu amava. Deixei que uma amiga perturbada conduzisse o meu automóvel; permiti que outra fugisse de casa e se intalasse na da minha mãe.
4- Qual o teu maior sonho?
Fazer realmente o que gosto. Escrever livros, publicá-los e dinamizar ateliês de escrita e ilustração pelo país inteiro.
5- Nos momentos de tristeza, abatimento, isolas-te ou preferes colo?
Tenho muitos momentos de tristeza, abatimento, abulia, pois sou depressiva bipolar, tipo II. Nesses momentos isolo-me completamente. Não saio de casa, fico deitada na cama, choro. Mas gostava que alguém me desse colo...
6- Entre uma pessoa extrovertida e outra introvertida, qual seria a escolha abstracta?
A introvertida, pois nunca se sabe o que pensa e sente.
7- Sentes que te sentes bem na vida ou há insatisfações para além do ponderável?
Depois de um período muito crítico na minha vida; estou a tentar a aprender a sentir-me bem só por continuar viva.
8- Consideras-te mais crítica ou mais ponderada?
Ponderada, sem dúvida. Sempre fui assim. Peso os prós e os contras de qualquer decisão e de qualquer acto. Ainda que ponderada, tenho cometido, ainda assim, alguns erros.
9- Julgas-te impulsiva, de fazer filmes, paciente?
Já fui mais impulsiva do que sou agora fruto do amadurecimento. Não gosto de fazer filmes. A vida é o que é! Sou muito paciente, ainda que esteja a sangrar por dentro.
10- Consegues desejar mal a alguém e depois concretizar?
Já desejei mal a várias pessoas que me fizeram mal a mim e à minha família. Nunca concretizámos esse desejo. Acho que a vida se encarrega de punir as pessoas que nos fazem mal. É mais difícil perdoar e aceitar. Foi isso que fizemos e que eu fiz.
11- Qual o lado mais acentuado? Orgulho ou teimosia?
Todos na minha família são teimosos e orgulhosos. Eu não fujo à excepção, ainda que em menor grau. Não sou como o meu irmão que, de teimoso, leva sempre a "água ao seu moinho", como diz o povo.
12- Casamentos homossexuais e/ou direito à adopção?
Ambos. No caso do casamento, o mais importante é o amor, a partilha e a entrega de dois seres humanos que se amam. No caso do direito à adopção, para além das condições exigidas aos casais heterossexuais, o que conta é o amor, o carinho, o conforto, o bem-estar, a felicidade da criança. Não é por esta ser educada por um casal homossexual que a criança vai sê-lo e se for será uma escolha livre.
13- O que te faz continuar com o blogue?
Gosto de escrever. Gosto de partilhar pensamentos, paisagens, poemas com os leitores da blogosfera. Sempre gostei de escrever.
14- O número de visitas ou de comentários influencia o teu blogue?
De maneira nenhuma! O tempo disponível, a criatividade, a originalidade é que influenciam os meus posts.
15- Na tua blogosfera pessoal e ideal , como seria ela.
Exactamente como é.
16- Devia haver encontros bloguistas? Caso sim em que moldes, caso não porquê.
Já fui a um encontro de bloguistas. na verdade, um jantar. O mundo virtual da blogosfera permitiu juntar um grupo de blogueiros que partilharam os seus gostos, o nascimento do seu blogue e que levaram consigo um artefacto que foi sorteado entre os presentes.
O ambiente divertido e descontraído promoveu o diálogo e fez nascer novas amizades que se mantêm depois desse encontro.
17- Sabes brincar contigo mesmo e rir com quem brinca contigo?
Nem sempre, sobretudo quando estou numa fase down. Mas gosto de rir com quem brinca comigo. Sobretudo com os amigos e com os meus familiares.
18- Já agora, qual ou quais os teus principais defeitos?
Tenho tantos!!! Enumero os mais importantes. Sou insegura; tenho medo das críticas negativas e dos elogios; sou ingénua ao ponto de acreditar que todos são sinceros; sou tímida; sou depressiva...
19- Entre uma televisão, um computador e um telemóvel, o que escolherias?
O computador, sem dúvida. Dá para sacar e ver filmes (ai os direitos de autor!); pode-se fazer chamadas e vídeo-conferências; actualizo os meus blogues e é uma ferramenta essencial de trabalho.
20- Elogias ou guardas para ti?
Gosto de elogiar o trabalho dos outros. Elogio sempre que o elogio corresponde ao que sinto. O elogio é uma forma de estímulo, de motivação para o outro continuar a melhorar o seu trabalho (seja ele qual for).
21- Tens a humildade de suficiente para pedir desculpa sem ser indirectamente?
Sim. Tantas e tantas vezes. Às vezes até parece que os outros nunca estão errados.
22- Consideras-te, grosso modo, uma pessoa sensível ou pragmática?
Demasiado sensível e muito pouco pragmática. Se não fosse tão sonhadora e utópica sofreria bem menos e veria a realidade exactamente como ela é.
23- Qual o teu maior pesadelo ou o que mais te preocupa?
Desculpem se não partilho o meu maior pesadelo nem o que mais me preocupa, porque além de pessoal e profissional, não quero pensar no que me possa acontecer. Na devida altura, se puder, partilharei convosco.

4 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Apesar da minha escassez de tempo, ando a ver as respostas do desafio que lancei junto com o prémio por ocasião do primeiro aniversário do meu canto, e devo dizer-te que estou surpreendidíssimo (pela positiva, não obstante o conteúdo) das tuas respostas. De uma figura com a qual pouco falei e também por isso conheci muito pouco à excepção dos teus poemas, de alguns posts e sobretudo da forma belíssima como deixas comentários , pelo menos os meus(eu nao consigo ter essa beleza nas respostas), foi quase com sofreguidão que cada resposta pedia outra pergunta tal a intensidade e a espontaneidade com que respondeste.

Gostei sobretudo da forma totalmente descomplexada como falas de ti e dos teus problemas, numa partulha que reconheço mais como exemplo-testemunho, mais do que meras respostas.

Identifico-me com algumas coisas e tal como tu também sou muito depressivo, inseguro, etc etc... Um dia dstes tens de me indicar um bom terapeuta para sessões livres ou coisa que o valha... se é que isto vai lá com terapias. Adorei (entendes a forma como digo adorei no mar de desencanto das tuas respostas) ler-te. Uma vida cheia, intensa, de bom e mau, mas de muita esperança no futuro e em tyi mesma, o que me leva a identificar novamente na parte em que te dizes ingénua, bondosa,etc...

Um grande beijo de amizade e conta connosco: quem te lê ou te segue mais de perto. E volta sempre lá. Ler-te não é como o que lá escreveste: nao seria desrespeito nenhum dizeres o que pensas por outras palavras, para te citar.

Foste uma das nomeadas precisamente pelos teus comentários, caso contrário terias asido apenas uma pessoa muito simpática que conheci no encontro de bloguistas mas com quem mal falei. E aqui compensei essa falta de conhecimento. tal como não nomeei o Nando nem o Rafeiro não estava para te nomear a ti porque nao vejo que sejam blogues onde aceitem este tipo de coisas (prémios, desafios) e deixaria o Nando e o Jorge numa posição incómoda de quase obrigação em terem de aceitar o desafio, mas que tal estenderes tu o desafio ao Nando dado que o Jorge infelizmente (mas só por algum tempo) se ausentou do blogue mas não da web? Pode ser que assim o Nando aceite o desafio e nao seja incómodo para mim nem para ele :)

E também fico a conhecer mais dele :)

De novo obrigado, e sempre que sentires o que escreveste no comentário lá do blogue, apaga a informação e escreve. isto de se ter uma pessoa com esta sensibilidade de escrita (não és única, claro, mas agora estou a falar de ti) e ainda por cima com obra publicada, não é para todos. Quero mais :) E revelaste-te muito nos comentários que foste fazendo, e agora mais de forma prática.

Obrigado pela partilha e por teres aceite o desafio.

Natália Augusto disse...

Daniel,

os dias cinzentos de frio e chuva entranham-se no nosso ser e a tristeza visita-nos. O teu desafio ajudou-me a pôr em palavras o que tenho calado.

Tenho uma boa terapeuta e,um dia destes, quando quiseres, dou-te o contacto.

Agradeço a tua visita e as tuas palavras.

Beijinhos amigo.

Fatucha disse...

Natalia, gostei muito de ler a tua plena sinceriedade que expões neste desafio. um beijinho grande para ti :)

Eli disse...

Olá Nathalie...

Já tinha lido a tua resposta ao desafio do Lobinho, mas não tinha dito nada a respeito, pelos vistos! Às vezes fico com a sensação que escrevi, mas depois vou a ver e apenas pensei!

Tal como também já referiu o Daniel, foi uma forma de te conhecer melhor. Vejo a vossa naturalidade nas respostas que a mim não foi muito fácil, embora nem tenha assim tanto para dizer.

O mais importante é que é a nossa vida e estamos a partilhá-la com quem nos lê. Por isso é que é tão importante ter "feedback", tal como referiste já ali em cima!

Obrigada por teres mostrado essa abertura! É um exemplo a seguir!

:)