sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Composição literário-estética

Foto de F Nando
*******

Esta composição que apelido de literário-estética, e que a máquina fográfica do artista captou, foi espontâneamente conjugada. Importavam os elementos e como eles interagiam uns com os outros sendo tão distintos.
Eu conto-vos. Há uma história que os une: o amor à literatura, à arte em geral, à paixão pela essência do ser.
Não sei ao certo se Fernando Pessoa gostaria de anjos ou se acreditaria nesses mensageiros invisíveis e amáveis. Creio que iria gostar deste, já que tem no colo um livro aberto que pode bem ser a compilação deste autor maníaco-obsessivo e, talvez por isso, genial.
Sim, onde quer que estejam terão conversas literárias e filosóficas sobre a fragmentação do eu. Talvez todos se encontrem a dialogar em torno de um cálice de um excelente e centenário Vinho do Porto (embora Pessoa preferisse outras bebidas mais fortes e que lhe provocassem sensações fortes.
Todos! Quem? Fernando Pessoa ele próprio; o seu primeiro pseudo-amigo Alexander Search; Bernardo Soares o seu alter-ego; o mestre dos heterónimos, Alberto Caeiro; o clássico Ricardo Reis, o futurista até à vertigem ou o melancólico Álvaro de Campos que não passava sem o seu ópio. Que "drama em forma de gente"! Mas quem mais foi tão múltiplo, tão fragmentado e genial?
Talvez ninguém. Talvez os autores dos livros de encadernação gasta pelo tempo de que, com certeza, Fernando Pessoa gostaria e guardaria no seu baú de memórias, baú da "criança que foi" feliz na casa onde nasceu, ali bem perto do Teatro São Carlos, não é mais.
*****
A Criança que fui chora na estrada

A criança que fui chora na estrada.
Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
Quero ir buscar quem fui onde ficou.

Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
A vinda tem a regressão errada.
Já não sei de onde vim nem onde estou.
De o não saber, minha alma está parada.

Se ao menos atingir neste lugar
Um alto monte, de onde possa enfim
O que esqueci, olhando-o, relembrar,

Na ausência, ao menos, saberei de mim,
E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar
Em mim um pouco de quando era assim.

*******
E as velas, perguntarão? Pessoa acendia-as nas longas noites de insónia quando escrevia num jacto vários poemas que guardava, por vezes, no baú.

*******
Ler mais: http://www.luso-poemas.net

4 comentários:

Rodrigo Della Santina disse...

Singelo o texto, minha cara. E o poema, de quem é? Pois o apreciei deveras.
Grande abraço,

F Nando disse...

Gostei da tua estética neste encontro de palavras - sentidos - emoções - sensações - devaneios...
Absolutamente surpreendente!
Bjs

pinguim disse...

Parabéns a ambos, a ti, pela ideia e palavras e ao fotógrafo que tão bem captou as diversas figuras.

Mari Amorim disse...

Nathalia,
Excelente postagem,saio feliz daqui,levando uma leitura reflexiva,
Boas energias,
Mari