quinta-feira, 18 de junho de 2009

Museu do Louvre


Este foi o último trono de Napoleão III. Na verdade, um dos mais pequenos, como referiu a guia que explicava a um grupo de turistas o seu significado.
Eu, que ficara para trás no grupo, fiquei um pouco a ouvi-la. Napoleão já não tinha a mesma influência e poder de outrora, daí este trono representar simbolicamente, pelo seu tamanho, essa perda de importância.
A tapeçaria representa também um dos símbolos de Napoleão. Bem ao centro temos uma águia gigantesca símbolo da grandeza e do poder de mais um membro da família de Napoleão Bonaparte.
O apartamento é todo ele sumptuoso: imperam os tons carmim, azul e dourado, as tapeçarias são gigantescas e repesentam várias cenas ao ar livre ou no interior, há candelabros enormes nos tectos das salas, há salas e salas, até se lhes perder a conta.
Tudo está na ala Richelieu! É só ir até ao Louvre e ver com os seus próprios olhos não só esta ala, mas todas as outras. Claro está que são necessários vários dias... e calçado confortável.

1 comentário:

Teresa disse...

Ai! Paris!
Quem não ama Paris? Quem não tiver sensibilidade e amor pela beleza das pequenas coisas.
Já fui cinco vezes, creio, a Paris e não me canso. Também acho que já fui duas vezes ao Louvre, mas confesso que me perco de tal maneira nas alas das antiguidades egípcias e clássicas que ainda não visitei a ala Richelieu. Fica para a próxima!
Bjs
Teresa