quarta-feira, 24 de junho de 2009

Palavras solares


Foto de Fernando Cardoso

*******



*******

Perdi palavras. Muitas palavras. As palavras doentes e moribundas por estarem sempre a dizer a dor do meu sentir; as palavras angustiadas por saberem a minha solidão e eu já a ter aceitado como definitiva; as palavras silenciadas, pensadas e escondidas no desespero de um silêncio fundo e atroz, povoado por lágrimas e por desejos de aniquilamento. A pouco e pouco, a noite foi-se tornando menos tenebrosa. Essa era uma perda que teria de acontecer um dia!
Não obstante tratar-se de uma perda, que é sempre conotada com tristeza, dor e sofrimento, hoje estou feliz por tê-las perdido. Porque esta é a melhor e mais inesperada das perdas! Palavras como desassossego, desespero, abismo, desencontro, estado febril, ausência andam agora por aí, soltas. Deixo-as ir nas asas de qualquer brisa, de encontro a qualquer sol, porque era já tempo de empreenderem uma outra viagem. Para bem longe do meu outro sentir, que só me trazia momentos de um silêncio liso e afastamento de tudo e de todos.
Apareceram-me outras palavras. As que eu escrevia imaginariamente nas páginas brancas dos meus sonhos e do tempo que passava. Apareceram-me as palavras harmonia perfeita de sentires, sintonias inesperadas, coincidências felizes, enamoramento. Ou seja, as palavras são agora de luz, como pequenas estrelas que brilham no firmamento. Todas elas são sentires muito diferentes. Palavras como tranquilidade, encontro, paz, encantamento habitam o meu ser e sou feliz. Todas estas palavras se desencarceraram da prisão que era eu mesma e que não as deixava fluir. Sorvia-lhes a energia com o meu sentir nocturno e desesperado.

4 comentários:

Teresa disse...

Porque os poetas dizem as coisas muito melhor do que eu, especialmente o nosso Eugénio de Andrade:

"São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas."

Ainda bem que encontraste palavras solares. Já as merecias.
Bjs

Natália Augusto disse...

Obrigada Teresa.

Depois de tantas provações, acho que é tempo de ser feliz e reencontrar a paz interior.

Beijos

F Nando disse...

Mesmo em prosa escreves-te poesia...
Como diz o poeta:
"Quem ama acredita"
Bjs

Ana Paula Motta disse...

Que palavras lindas e leves. Estou encantada e feliz por ti.