domingo, 27 de março de 2011

City of Angels- Spreading Wings




No que acreditamos? Será que temos de acreditar no que quer que seja? Será que já nascemos a acreditar em algo? Ensinaram-nos a acreditar?

Os nossos amigos e familiares dizem-nos para acreditarmos em nós: nos nossos sonhos, nas nossas decisões, nos nossos projectos. Pedem-nos que sejamos sempre positivos. Não obstante nem sempre é fácil.

Não sei no que acredito e se acredito ou se quero verdadeiramente acreditar no que quer que seja.

Às vezes acredito em seres invisíveis, que um dia tiveram de partir mas que estão ao nosso lado. São os nossos anjos da guarda. Protegem-nos em todos os momentos e estão connosco nos momentos mais felizes ou mais dolorosos.

Acredito em anjos, seres fantásticos, invisíveis que fazem parte de Fantasia, onde me retiro cada vez mais dias.

4 comentários:

Eva Gonçalves disse...

Olá Natália!!Quando era mais pequena, tinha uma tia que me oferecia sempre anjinhos pelo Natal, Páscoa, etc... Olha, não sei se acredito em anjos, mas acredito em asas! Acredito em algo que nos dá uma mão... nem sempre da forma que gostariamos, mas daquela que mais precisamos... :)Não te retires completamente para fantasia... senão vamos ter de andar à tua procura, rrrssss
Estou de volta! beijinhos

Daniel Silva (Lobinho) disse...

É como dizes, Natália! Claro que nem sempre temos a tal positividade que nos pedem, e bola pra frente, etc etc; aliás, penso até que os momentos de introspecção são luz dentro de nós, por mais paradoxal que pareça; no entanto, acreditar nos anjos, ou outros seres, não é mais do que outra forma de outorgarmos a outros o que nós pensamos nao conseguir.

Sem o teu sorriso e pesnamentos como este, os anjos nao poderão fazer por ti, por isso os sorrisos dão-se e as mãos unem-se, e o sol brilha de novo... mesmo que por vezes se eclipse. Só temos de respeitar essa meteorologia da alma... :)

Um beijinho grande

Natália Augusto disse...

Olá Eva,

vou ter de me ausentar um pouco para Fantasia. Mas logo, logo regressarei aqui.

Beijos

Natália Augusto disse...

Olá Daniel

Querido amigo, tens toda a razão. Ás vezes precisamos de ajuda externa, pois nem sempre conseguimos ver claro.

Gosto da tua expressão "meteorologia da alma". Ela muda constantemente por períodos mais ou menos longos.