sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

(In)discrição

Gustav Klimt, O Beijo
***
Velas aromáticas
tornam o espaço carmim
acolhedor quente mágico íntimo

No tapete que cobre o chão
repousam displicentemente almofadas
deixadas ao acaso
sempre convidativas à aventura

Há numa jarra de design arrojado
belas e lânguidas rosas
de veludo e acetinado pérola e carmim
no anúncio de uma chegada
prevista

Por todo o espaço suavemente iluminado
dormem cromaticamente
pétalas de outras rosas
num convite ébrio
à luxúria e ao despertar dos sentidos

Na hora chegada
após uma certa espera
bocas sequiosas e corpos ávidos
encontram-se
por fim
nos abraços do prazer
reinventado, intenso, de descoberta


No espaço carmim e odorífero
ondulam
sussurros, beijos, frémitos,
confidências rubis
de puro, secreto, roubado, proibido
amor carnal

1 comentário:

Bento disse...

Lindo! Deliciosamente sensual! Lê-se e sente-se o perfume das pétalas, dos corpos. Sem reticências!