quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Casa do silêncio

Foto de F Nando
***
O silêncio abriu a porta da casa da duna e instalou-se como se fosse sua. Entrava e confirmava que era o único ali. E era! Nada se movia. Nada! Nada! Nem os cortinados com o vento que entrava pelas frestas das janelas. Nem as portas se abriam ou fechavam. Nem as chávenas de porcelana tilintavam nos antigos guarda-louça, nem as plantas estremeciam com a luz. Não havia gatos,nem cães.
O silêncio era sepulcral, ainda que não fosse ameaçador. O silêncio era indefinível. Não era como outros silêncios: acusadores, sentenciosos, de desprezo e preconceito..
O silêncio tinha entrado na casa para, simplesmente, continuar as suas leituras! Entrara ali uma vez e descobrira uma biblioteca valiosíssima. Desde então, sempre que os donos se ausentam, ele entra e põe-se a ler, sentadinho numa poltrona.

13 comentários:

Pedrasnuas disse...

QUE SILÊNCIO MAIS REQUINTADO... SABE APRECIAR UMA CASA LINDA ...TODA VESTIDA DE FANTASIA

CUMPRIMENTOS

Eva Gonçalves disse...

shiuuu.... não incomodemos a leitura :)Bjo

Teresa disse...

Natália, que texto lindo!
A princípio, parece um silêncio ameaçador, sepulcral. Mas não é um silêncio de sepulcro, e sim de biblioteca.
Bjs

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Gostei deste recato, deste necessário silêncio da alma, ainda que espaço dos livros... ou de uma casa... Se nao tivesses escrito que era foto do Nando, ia jurar que aquilo era uma imagem.

Gostei do texto, uma vez mais :)

beijinhos amigos

Natália Augusto disse...

Olá Pedrasnuas,

obrigada pelo seu comentário. Há silêncios muito significativos... este apenas faz parte de um momento de devaneio.

Bjs

Natália Augusto disse...

Pois é Eva, não devemos incomodar o silêncio! Este silêncio tão erudito...

Beijos

Natália Augusto disse...

Querida Teresa,

ando completamenete absorvida por textos, imagens mentais que remetem para um mundo surreal e de pura fantasia.
O que mais se evidencia, é o silêncio da biblioteca.

Beijinhos

Natália Augusto disse...

Olá Daniel,
de facto, parece uma imagem. A fotofrafia foi tirada na exposição "Arte Lisboa 1999". Todavia tratava-se de vários espaços muito diferentes que se assemelhavam a uma casa.
Foi isso que me inspirou. Foi isso que me levou para a terra da Fantasia.

Beijinhos amigo

AVOGI disse...

Por vezes sabe bem escutar o silêncio. kisses

Olga disse...

Adorei, era uma casa onde gostaria de entrar, e ler esse montão de livros. Parabéns pelo teu texto, é maravilhoso. Adorei.

F Nando disse...

Schiuuuu...
Não incomodem o silêncio
Beijos

Maria Mãe disse...

É no silêncio que por vezes encontramos as respostas difíceis de encontrar.

Vicktor disse...

Querida Natália

Bonito texto em que senti completo o ambiente da casa da duna.

Beijinho.